Notícias

CELSE inaugura a UTE Porto de SERGIPE I

50236621938_98082c2d6b_k.jpg

No dia 17 de Agosto de 2020, a CELSE – Centrais Elétricas de Sergipe inaugurou a maior e mais eficiente Termoelétrica da América Latina: a UTE Porto de Sergipe I. 

A cerimônia contou com a presença do Presidente da República, Jair Bolsonaro, o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o Governador do Estado de Sergipe, Belivaldo Chagas, o CEO da Golar Power, Eduardo Antonello, o CEO da EBrasil, Dionon Cantareli e o CEO da CELSE, Pedro Litsek. Participou também o Deputado Federal, Laércio Oliveira, relator do PL  6407 – Nova Lei do Gás, que visa desburocratizar a regulação de temas associados ao gás natural, permitindo redução de preço do gás e difundir de forma definitiva o uso deste energético. 

A UTE Porto do Sergipe I foi vencedora do leilão de energia nova A-5 de 2015, quando comercializou 100% de sua capacidade instalada de 1551 MW. A usina entrou em operação em março de 2020 e é responsável por gerar e comercializar energia elétrica a partir das suas 4 unidades geradoras de energia. Quando estiver operando na base, será capaz de de atender 15% da demanda do Nordeste.  

“Térmicas como Porto de Sergipe I são extremamente estratégicas para viabilizar o crescimento do parque de energias renováveis, exercendo as atividades como se fosse uma bateria, permitindo reduzir o custo da energia ao consumidor”, disse o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. “Chamo a atenção que o gás natural é um dos principais combustíveis da transição energética, rumo à economia de baixo carbono”, completou.

O Ministro explicou ainda que a nova termoelétrica produz energia por menos da metade do custo médio da energia térmica produzida no Brasil. Segundo ele, 1 megawatt-hora da energia térmica produzida em Roraima, a carvão, custa R$ 1,2 mil, já o mesmo 1 megawatt-hora da térmica a gás de Porto de Sergipe I custa R$ 211.

De acordo com o ministro, o aumento da participação do gás natural na matriz energética brasileira é um dos objetivos contidos nas políticas públicas do governo e a participação de terminais privados, como o de Porto de Sergipe I, “contribuem para um salutar ambiente de competição, fundamental para a redução de preços aos consumidores”.